• Orestes Mallmann

Arquivo Histórico de Lajeado ganha verba para digitalização

Matéria de hoje, 29 de Janeiro de 2020, do Jornal O Informativo do Vale.


Equipe iniciou, ontem, processo de digitalização dos documentos.


LAJEADO - Facilitar e garantir o acesso a documentos do Acervo Histórico Municipal são os principais objetivos do projeto "Salvaguarda do Patrimônio Documental Histórico de Lajeado", que foi contemplado pelo edital de concurso FAC Educação Patrimonial do Governo do Estado.


O edital selecionou projetos de Educação Patrimonial realizados por prefeituras. Neste projeto, parte dos documentos serão digitalizados e disponibilizados à população em meio digital. Ontem à tarde, a equipe responsável pela execução da digitalização fez a retirada dos documentos do arquivo para iniciar o processo de digitalização.


A iniciativa concorreu na categoria intermediária, com fomento de R$ 50 mil, e foi uma das 16 selecionadas pelo edital elaborado pela Secretaria de Estado da Cultura (Sedac), por meio do Sistema Estadual Unificado de Apoio e Fomento às Atividades Culturais - Pró Cultura RS, com o apoio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado (Iphae) e do Colegiado Setorial de Memória e Patrimônio.


Seleção


Para a digitalização, foram selecionados os documentos mais acessados e que necessitam, urgentemente, de digitalização para preservar sua integridade física. Deverão ser digitalizados 158 livros de códice (manuscritos) e documentos históricos, impressos de legislação Estadual e Federal, relatórios dos intendentes e prefeitos, códigos de postura do município e Leis Orgânicas, acondicionados em 25 caixas do arquivo, documentos avulsos, o acervo da mapoteca que compreende croquis, levantamento topográfico, plantas e mapa e mais aproximadamente 252 obras.


Realização


O processo será realizado pela equipe do Centro de Memória, Documentação e Pesquisa do Museu de Ciências da Univates. De acordo com a supervisora do Centro, Patricia Schneider, cada documento será fotografado e posteriormente transformado em um arquivo de leitura PDF, para poder ser disponibilizado no site da prefeitura. Em caso de livros, o arquivo terá o mesmo formato do livro, respeitando a sequência das páginas.


Patricia explica que também é preciso respeitar o código de identificação de cada documento, que deve ser o mesmo em toda documentação. "Os documentos originais precisam ser manuseados com cuidado para não causar nenhum dano, evitando-se dobrar, por exemplo. Alguns documentos têm mais de cem anos, estão frágeis, sendo necessário que sejam tratados com todo cuidado, respeitando-se seu tamanho e tipo de suporte. O uso de luvas e um ambiente limpo e climatizado são importantes para a realização do trabalho", explicou Patricia.


Em razão da quantidade de documentação existente, não será realizada a digitalização de todo o acervo dentro do tempo máximo permitido pelo edital, que é de nove meses. Para que o processo continue, serão realizadas ações educativas que consistem em oficinas de capacitação, que devem ser iniciadas em setembro, que serão voltadas a servidores municipais e integrantes de entidades culturais, artistas em geral, membros das associações de bairros, professores, estudantes de história e arquitetura e demais interessados.


O objetivo é tornar essas pessoas agentes multiplicadores deste conhecimento nas suas comunidades.

O projeto é financiado com recursos do edital e com contrapartida do município, que investirá o valor de R$ 21,5 mil.


Saiba Mais

O Arquivo Histórico Municipal foi criado pelo Decreto 4.523 de 12 de janeiro de 1995. Desde 1996, localiza-se junto à Biblioteca Pública Municipal. Possui em seu acervo documentação avulsa (requerimentos, ofícios, cartas e outros), acervo iconográfico (fotos avulsas e álbuns), mapoteca (croquis, plantas e mapas), impressos (legislação e relatórios _ Federal, Estadual, Municipal), biblioteca especializada (alta especialização na área da história, matemática, religião, obras em língua alemã e outras), e Códices (livros manuscritos desde 1877), que compreende o período relativo ao final do século XIX até o século XX.


O manuseio desses materiais segue o protocolo de acesso a documentos históricos, como o uso de luvas, não sendo permitida a retirada de nenhum material existente. Ou seja, pessoas interessadas devem realizar pesquisas no local. Com a ação do tempo e a manipulação, esses documentos acabam deteriorando. O acesso físico a esse material expõe, ainda, o risco de atos que fogem ao controle dos servidores, como a supressão das páginas, por exemplo.


Endereço: Rua Julio de Castilhos, 411, Centro. Horário de atendimento: segunda-feira a quinta-feira, das 8h às 17h, e nas sextas-feiras, das 8h às 14h. Telefone: (51) 3982-1087


Matéria de hoje, 29 de Janeiro de 2020, do Jornal O Informativo do Vale, disponível aqui.

147 visualizações

© 2019 Orestes Mallmann